Receba todas as novidades Vip's

Transformar a Educação!

Transformar a Educação!
Estamos Reinventando a Educação.

terça-feira, 7 de março de 2017

TUDO SOBRE A BASE NACIONAL COMUM!

fonte: Nova Escola


Até o fim do ano, o Brasil estabelecerá os conhecimentos e habilidades essenciais que deverão fazer parte dos currículos de todas as escolas, da Educação Infantil ao Ensino Médio. A chamada Base Nacional Comum Curricular (BNCC) tem gerado muitas dúvidas desde que começou a ser discutida em 2013. Como ela será implantada? O que muda no dia a dia das escolas? Qual a relação dela com a reforma do Ensino Médio? Selecionamos as principais questões que surgiram no Facebook de NOVA ESCOLA e respondemos abaixo. Se você ainda ficar com alguma dúvida, mande para nós nos comentários, no final da página.  
1 - O que é a Base Nacional Comum Curricular (BNCC)?A Base Nacional Comum Curricular é um documento que determina os conhecimentos essenciais que todos os alunos da Educação Básica devem aprender, ano a ano, independentemente do lugar onde moram ou estudam. Todos os currículos de todas as redes públicas e particulares do país deverão conter esses conteúdos.
2 - Qual é o objetivo deste documento?Como a BNCC define os conhecimentos essenciais para toda a Educação Básica e é obrigatória, ela ajuda a diminuir as desigualdades de aprendizado: todos os alunos terão a mesma oportunidade de aprender o que é fundamental.
Confira mais sobre os objetivos da BNCC no site do Movimento pela Base
3 - Para quais etapas a BNCC será aplicada?Para todas as etapas da Educação Básica, da Educação Infantil ao Ensino Médio.
4 - Onde consigo uma cópia do documento?O documento ainda não foi finalizado. As duas primeiras versões estão acessíveis online, noportal da BNCC do MEC.
5 - Como ela foi construída?A BNCC está sendo construída em um processo colaborativo e democrático, liderado pelo Ministério da Educação (MEC), que foi iniciado em 2015. A primeira versão do documento passou por uma consulta pública (entre setembro de 2015 e março 2016), quando recebeu mais de 12 milhões de contribuições. A segunda versão foi analisada por gestores, professores e alunos de todos os estados, em seminários organizados pela União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed). Mais de 9 mil recomendações foram sistematizadas. A partir delas, o MEC irá finalizar a terceira e última versão, que seguirá para um parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE), para, então, ser homologada.
Confira no portal da BNCC do MEC informações sobre o processo de construção, as consultas públicas e as versões 1 e 2 na íntegra.Confira as etapas de construção e as leituras críticas de cada versão feitas por especialistas do Movimento pela Base.
6 - Quando ela começa a funcionar?A fase de implementação começa após a homologação do documento pelo MEC, o que deve ocorrer no segundo semestre deste ano para as etapas da Educação Infantil e Ensino Fundamental e para o Ensino Médio, em 2018. A implementação envolve várias frentes de ação (que serão planejadas pelos estados e municípios, com apoio do MEC):
  • Adequação dos currículos das redes e dos projetos políticos pedagógicos das escolas à BNCC.
  • Formação continuada dos professores e adequação dos materiais didáticos.
O MEC calcula que a fase de implementação dure cerca de dois anos a partir da homologação.
Conheça as principais etapas da implementação realizadas por outros países.
7 - Preciso fazer meu planejamento de 2017 respeitando a Base?Não. A BNCC ainda não foi aprovada.
8 - Quais são os próximos passos para a conclusão da BNCC?A parte da Educação Infantil e do Ensino Fundamental da BNCC está sendo finalizada. Segundo o MEC, a versão final deve sair nos próximos meses. As etapas seguintes são:- Envio para o Conselho Nacional de Educação (CNE).- Realização de audiências públicas pelo CNE.- Emissão de um parecer do CNE.- Homologação do documento pelo MEC.
Já a parte do Ensino Médio da BNCC, que passou pelas mesmas etapas de consultas públicas (nas duas primeiras versões), foi suspensa durante as votações do novo Ensino Médio no Congresso e será retomada pelo MEC a partir das diretrizes dareforma recém-aprovada,e das contribuições dos seminários estaduais. Depois de finalizado pelo MEC, o documento deve passar pelas mesmas etapas que a parte da Educação Infantil e Fundamental.
Confira 13 respostas sobre o Novo Ensino Médio
9 - Diferenças regionais, como linguagem e cultura, vão dificultar a implantação da Base?Não. Cada rede e cada escola poderá incluir em seus currículos e PPP as especificidades regionais. Vale lembrar que a Base orienta os currículos com o que ensinar, ou seja, os conhecimentos e habilidades essenciais para todos os brasileiros O como ensinar fica a cargo de cada rede e cada unidade escolar. Assim, o direito a um aprendizado de qualidade para todos fica garantido, e as diversidades regionais e a autonomia do professor também.
10 - Os municípios poderão definir a sua base curricular?Cada município deve definir seu currículo. A BNCC trará o essencial que todos os currículos, de todas as redes, deverão ensinar. Cada rede poderá incluir, além do que determina a BNCC, os conhecimentos regionais que julgarem pertinentes.
11 - Como trabalhar a Base nas escolas, levando em consideração a realidade de cada comunidade?A BNCC não determina como ensinar, mas o que ensinar. Cada escola e cada rede deverá, dentro de seu currículo e PPP, definir como irá trabalhar as diversidades locais.
12 - Os estados e municípios vão acompanhar a construção dos currículos e do PPP das escolas?Os estados e municípios serão, com apoio técnico do MEC, os responsáveis pela elaboração e adequação dos currículos das redes de acordo com a BNCC. Segundo o MEC, as estratégias para a implementação da Base – que envolvem, além dos currículos, a capacitação dos professores em serviço e a adequação dos materiais didáticos – deverão ser definidas em conjunto com as redes de ensino.
13 - O que, afinal, será componente obrigatório ou não?No documento que diz respeito ao Ensino Fundamental, todas as atuais disciplinas (Língua Portuguesa, Educação Física, Arte, Língua Estrangeira Moderna, Matemática, Ciências, História e Geografia) serão mantidas. Com a reforma do Ensino Médio, que prevê a flexibilização do currículo, por ora, apenas Matemática, Língua Portuguesa e Inglesa são obrigatórias. Além disso, o Novo Ensino Médio também contempla “estudos e práticas” de Artes, Educação Física, Filosofia e Sociologia. Os outros componentes obrigatórios da etapa de ensino ainda deverão ser debatidos pela BNCC.
14 - Qual a diferença entre a Base e os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) e as diretrizes curriculares (DCN) que existiam antes?A BNCC foi elaborada à luz do que diz os PCNs e as DCN. No entanto, a Base é mais específica, determinando com mais clareza os objetivos de aprendizagem de cada ano escolar. Ela será obrigatória em todos os currículos de todas as redes do país, públicas e particulares, ao contrário dos documentos anteriores, que devem continuar existindo, mas apenas como documentos orientadores não obrigatórios.
15 - Os livros didáticos vão mudar?Sim. Todos os materiais didáticos deverão passar por revisões, para garantir que seus conteúdos contemplem o que pede a BNCC. Essa é uma importante etapa para que a Base, de fato, chegue às salas de aula. 
16 - Ainda dá tempo de participar da construção da Base?Sim. O documento da Educação Infantil e Ensino Fundamental da BNCC passará ainda pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), que deve realizar consultas públicas em todas as regiões do país. Os professores podem acompanhar e participar dessas audiências, como também participar do processo de adequação de currículo de sua rede ou escola, após a homologação da Base.
17 - Quais mudanças e avanços poderemos esperar para a Educação Infantil e Ensino Fundamental?A BNCC ainda não está pronta e precisamos esperar a publicação da versão final para avaliar mudanças e avanços. Mas, em janeiro, o MEC mostrou algumas alterações que estão sendo feitas na última versão, a partir das recomendações feitas nos seminários estaduais. No geral, pode-se esperar orientações muito mais claras sobre o que ensinar em sala de aula e uma visão mais transparente da progressão dos aprendizados ao longo das etapas escolares. Na Educação Infantil, a introdução dos campos de experiência e expectativas de desenvolvimento de acordo com faixas etárias específicas são os principais avanços.
Veja o relatório que especialistas fizeram sobre a educação infantil da segunda versão da BNCC.Confira a etapa de Educação Infantil da segunda versão da BNCCConfira a segunda versão da BNCC completaVeja as recomendações dos seminários estaduais para a segunda versão da BNCC.
18 - Qual é o impacto para escolas em tempo integral?O impacto será igual para todas as escolas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, independentemente da carga horária: os currículos e PPPs deverão incluir obrigatoriamente os aprendizados determinados pela BNCC. O documento foi elaborado levando-se em consideração a carga horária regular.
19 - Como a Base se relaciona com o Novo Ensino Médio?A parte do Ensino Médio da BNCC irá orientar o currículo desta etapa. O documento, que ainda será finalizado pelo MEC, trará os conhecimentos essenciais que todos os alunos devem aprender nessa etapa. Como um das propostas da reforma do Ensino Médio é a flexibilização do currículo, as disciplinas obrigatórias ocuparão 60% do total da carga horária, com aprendizados que serão comuns a todos os alunos. Os 40% restantes serão optativos: os alunos escolherão o itinerário que mais interessar.
20 - O que vai acontecer com as crianças que não acompanharem o ritmo do restante da sala?A BNCC a não traz práticas didáticas ou indica procedimentos específicos a serem adotados pelas escolas nas salas de aula. Isso ficará a cargo da equipe pedagógica de cada rede e unidade escolar.
21 - Há alguma indicação para a inclusão de alunos com deficiência?Não há determinações de procedimentos ou práticas didáticas para trabalhar com alunos com deficiência. Isso ficará sob responsabilidade das redes e de cada unidade escolar.
22 - A Base fala algo sobre a relação da escola com a família?Não. A BNCC trata dos conhecimentos essenciais que todos os alunos têm o direito de aprender e que deverão constar, obrigatoriamente, em todos os currículos, de todas as escolas públicas e privadas do país.
23 - Como coordenadores pedagógicos e diretores podem ajudar os professores no dia a dia para a implementação da Base?A equipe gestora será a responsável por apresentar a BNCC para o corpo docente, ajudando-o a interpretar o documento e pensar conjuntamente como transformar os conteúdos da Base e as propostas curriculares das redes em um currículo que esteja de acordo com a realidade da unidade, além de reformular o PPP e auxiliar na estruturação do planejamento diário dos professores de acordo com as novas diretrizes. Dentro desse contexto, outro campo de atuação do coordenador pedagógico serão as formações continuadas dos professores para colocar em prática a BNCC e os ajustes necessários no planejamento docente. Os gestores também precisarão desenhar ações e estratégias para apoiar os alunos com defasagem em relação ao que será exigido como conhecimento mínimo para aquela série de acordo com a Base.
24 - Haverá aumento de carga horária por causa da Base?Não. A BNCC foi elaborada respeitando a carga horária regular atual, que é de, no mínimo, quatro horas diárias. No Ensino Médio, a BNCC deverá ocupar 60% da atual carga horária.
25 - Todas as escolas vão ensinar as mesmas disciplinas?No Ensino Fundamental, todas as disciplinas atuais estão mantidas e elas são comuns a todas as escolas. No Médio, a BNCC define os conhecimentos essenciais que todos os alunos, de todas as escolas, precisam aprender, ao longo dessa etapa. Esses conhecimentos são comuns e obrigatórios em todas as escolas e ocuparão 60% do total da carga horária. Os outros 40% serão optativos, dentro de itinerários estabelecidos pelas escolas.
26 - Haverá disciplinas optativas, que poderão ser escolhidas pelos alunos?Sim, mas só no Ensino Médio. A parte do Ensino Fundamental da BNCC determina objetivos de aprendizagem para todos os componentes curriculares obrigatórios atuais. Nenhum foi excluído ou incluído. Já a reforma do Ensino Médio prevê a flexibilização do conteúdo, com 60% do currículo obrigatório definido pela BNCC e 40% do currículo optativo.
27 - Alguma disciplina será excluída?No Ensino Fundamental nenhum disciplina será excluída. Já com a reforma do Ensino Médio ficaram definidas apenas Matemática, Língua Portuguesa e Inglesa como obrigatórias. Além disso, o Novo Ensino Médio também contempla “estudos e práticas” de Artes, Educação Física, Filosofia e Sociologia. Os outros componentes obrigatórios da etapa de ensino ainda deverão ser debatidos pela BNCC. 
28 - Quais as indicações e os objetivos para a disciplina de Arte?O MEC ainda está finalizando a terceira versão da BNCC, fazendo alterações indicadas nos seminários estaduais e por pareceres de especialistas e entidades. Sabemos, por enquanto, que os objetivos de aprendizagem estão sendo revistos, alguns cortados e outros reescritos.
Confira os objetivos de Artes da segunda versão da BNCC
29 - Em que momento a Base indica que a alfabetização comece?A terceira versão da BNCC ainda não está finalizada, o MEC está fazendo ajustes a partir das contribuições dos seminários estaduais, entidades e especialistas que fizeram leituras críticas da segunda versão. O texto da segunda versão indica o início da alfabetização no 1º ano do Ensino Fundamental, mas diz também que, na Educação Infantil, as crianças precisam entrar em contato com elementos da linguagem oral e escrita, o que pode acontecer, por exemplo, com a leitura de histórias.
Confira aqui a educação infantil da segunda versão da BNCCConfira aqui a leitura crítica que especialistas fizeram da educação infantil da segunda versão da BNCC
30 - Há alguma indicação sobre a interdisciplinaridade?Na segunda versão do documento, fala-se na promoção da interdisciplinaridade e na elaboração dos currículos sob uma perspectiva interdisciplinar. É muito importante que, em sua versão final, a Base tenha uma estrutura que permita uma integração entre as disciplinas. Mas como a interdisciplinaridade será colocada em prática será determinado pelos currículos e pelos projetos pedagógicos das escolas.
31 - E como os temas transversais serão abordados?Ainda é preciso esperar a terceira versão, que está sendo finalizada pelo MEC. Na segunda versão da BNCC, esses temas foram classificados como áreas especiais, como culturas indígenas e africanas, Educação financeira, Educação ambiental.
Confira outros e como esses temas são tratados na BNCC
32 - Como fica o Ensino Religioso na BNCC?Na segunda versão da BNCC, o Ensino Religioso constituía uma área. No entanto, a terceira versão da BNCC ainda está sendo finalizada pelo MEC e pode sofrer mudanças. O documento deve ser publicado, de acordo com o ministério, em abril de 2017. 

Disponível originalmente em: BNC

Eduardo Carolino

quinta-feira, 2 de março de 2017

VIAGEM AO MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS!


Em 2001 recebi uma mensagem celestial. Esta mensagem dizia que eu teria a agilidade da pena do poeta. E em seguida me disseram também que iria por todo mundo e não iria para lugar nenhum.
Não sei se você acredita nestas profecias, eu acredito demais, porém levei muito tempo para entender qual era o significado desta profecia em minha vida. Passou se anos, e então fui compreender um pouco como seria o desdobramento deste mistério profético.
Primeiro criei um blog para falar do dia a dia e de minhas observações. Isto aconteceu em 2010, mas as postagens eram muito simples, e pequenas, e ao longo dos anos as postagens foram evoluindo e hoje já são mais de 80 mil vistantes com uma média de 8 mil vistantes mês. Confira no link: BLOG PAPO DIVERGENTE
Queria escrever mais e mais, e então percebi que através da escrita poderia viajar o mundo através de um livro. Foi então que descobri que pelo site da Amazon poderia publicar livros e que seriam vendidos e/ou disponibilizados em todo o mundo, em diversos idiomas, cumprindo assim a profecia.
Já são 4 livros publicados, um deles é um ensaio sobre histórias infantis, que é apenas um esqueleto de uma obra futura que pretendo lançar. Cada um deles estão abaixo para que possam compartilhar comigo um pouco desta aventura incrível que estou nela!
#01  OS DESAFIOS DOS PROFESSORES EM SALA DE AULA.
Sou professor desde 2001 e de lá para cá foram inúmeras experiencias vividas em sala de aula, porém percebi que a tecnologia ia mudando em uma velocidade gigantesca e a modelo de aula continuava o mesmo, então decidi escrever 8 desafios que os educadores e gestores tem no séc XXI. O resultado está neste e-book disponível em: DESAFIOS DOS PROFESSORES EM SALA DE AULA.
#02 EMPREENDEDORISMO.
Ao terminar a faculdade fiz um estudo de caso sobre como o empreendedorismo afeta cidades que não possuem grandes empresas para absorver mão de obra da população local. Neste estudo analisamos 4 ramos de negócios e como eles atuam na cidade de Ribeirão das Neves, e identificamos a importância dos pequenos negócios na geração de emprego e renda. Tal estudo se tornou mais um e-book que está disponível em: EMPREENDEDORISMO
#03 PAPO DIVERGENTE.
Este e-book é uma reunião dos melhores textos que escrevi até hoje, são as observações de um blogueiro sobre os diversos assuntos do nosso cotidiano. Foi o mais baixado até hoje o que nos deixa muito feliz. Ele está disponível em: PAPO DIVERGENTE
#04 CONTE HISTÓRIAS PARA SEUS FILHOS DORMIREM.
Este livro ainda é apenas uma amostra do que realmente virá por ai. Minhas filhas sempre pediam histórias para dormirem e eu lia os clássicos da literatura infantil e as histórias bíblicas para elas, mas um dia resolvi começar a criar as histórias e viajar com elas no mundo da imaginação. O resultado prévio está nesta edição inaugural, que terá ilustração própria muito em breve, mas você já pode ir degustando um pouquinho, e está disponível em: CONTE HISTÓRIAS PARA SEUS FILHOS DORMITEM
Já estou no final da edição do meu livro só de poemas, dentro em breve ele estará disponível também para o mundo inteiro.

Espero que compartilhem um pouco desta minha grande aventura, e que no fim entendam um pouco sobre esta profecia que recebi em minha vida. Muitos outros textos e livros virão por ai, pois esta aventura não tem data determinada para acabar, nem nesta vida e nem na outra!
*hoje temos livros vendidos em diversos países do mundo.
Eduardo Carolino
Pai/Professor/Poeta

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

PERGUNTE ANTES DE EMPREENDER!

Fonte:  site administradores


ANTES DE EMPREENDER VOCÊ DEVE FICAR ATENTO A ESTAS PERGUNTAS!


O autoconhecimento é necessariamente o primeiro passo de quem busca esse tipo de transição de empregado a empreendedor. Todo negócio vai ser a cara do dono e os resultados serão proporcionais às suas ações feitas com consistência. Se você não tem clareza dos seus pontos fortes e pontos de melhoria, habilidades, talentos e competências, o que pode acontecer? O destino de quem tem falta de clareza é um só: a inação.

Estas simples perguntas que vão te ajudar a se encontrar caso você se sinta meio perdido em relação à sua carreira.

A primeira delas é:

Você odeia seu emprego ou odeia apenas algumas coisas nele?

Isso precisa ser colocado no papel já. A consciência gera clareza. Pegue uma folha em branco e passe um risco no meio dela. De um lado escreva: coisas que eu gosto no meu emprego e do outro lado o oposto, aquelas coisas que você não gosta ou até odeia. Você precisa ser o maior expert do mundo sobre os seus questionamentos antes de decidir empreender.

Se o seu problema tem mais a ver com o seu chefe, com o trânsito, com a sua função, ou seja, fatores mais externos do que internos, você vai encontrar muita dificuldade e ter pouca resiliência ao empreender. Se esse for o seu caso, possivelmente você não estaria qualificado para o empreendedorismo (ainda), o que não significa que não possa ser o seu caminho. Só quer dizer, por enquanto, que isso não é suficiente e que você não está com a motivação correta para encarar uma nova vida empreendedora, mas que pode se desenvolver e mudar completamente sua mentalidade.

Existem grandes chances de que, nessa situação, você possa resolver seu problema dentro da própria empresa, acessando as pessoas certas ou até preparar um bom currículo e ir à luta no mercado.

Em geral, o que move um aspirante a empreendedor tem muito mais a ver com inquietações internas e fatores intrínsecos. Uma vozinha te chama a realizar algo maior no mundo, alinhado a um propósito e estilo de vida desejado. E mais do que isso: um desejo de liberdade e flexibilidade de tempo toma conta de você.

O empreendedor é alguém mais movido a propósito, a metas, vontade de inovar, experimentar e liderar para viver nos seus próprios termos e com isso fazer a diferença por onde passa.

Agora mais algumas perguntas. Você deve responder a todas elas. Isso vai te ajudar muito a tomar decisões mais conscientes sobre o seu próximo passo na carreira.

2. Você se sente deprimido aos domingos?
3. Você desliga o despertador muitas vezes todos os dias e sente como se arrastasse para o trabalho?
4. Você não tira o olho do relógio esperando que o dia acabe?
5. Você passa o dia distraído nas redes sociais e em seus sites preferidos?
6. Você não tem vontade de dar opinião nas reuniões? Prefere obedecer diretrizes sem ter muito trabalho de argumentação sobre os assuntos da sua função?
7. Você se sente acomodado em relação à sua posição atual?
8. Você está conseguindo usar seu potencial no trabalho?
9. Você está aprendendo?
10. Você está se divertindo enquanto trabalha?
11. Você se sente crescendo na profissão?
12. Você está pleiteando e aceitando desafios?
13. Onde você quer estar em 1 ano, 5, 10, 20 anos? Como você imagina seu futuro?
14. Que história você quer contar pros seu netos sobre a sua vida e carreira, sobre a sua contribuição no mundo?
15. Você sente que gostaria de viver um trabalho e uma vida nova mas tem muito medo?

Quando surgir o incômodo, esse raio X dos seus pensamentos e sentimentos será o mais importante em relação a sua carreira.

O empreendedorismo é uma escolha consciente de um estilo de vida novo com muito trabalho pela frente, onde praticamente não haverá separação entre vida pessoal e profissional. Você vai precisar gostar do seu trabalho pois ele se confundirá com a sua própria vida de forma muito natural. É preciso encontrar a interseção entre o prazer e a recompensa financeira.

A única condição e o primeiro passo para empreender é decidir se você quer. O resto é preparação e persistência. A autorrealização é uma consequência de saber qual é a sua direção na vida, aquela que te satisfaz, seja empreendendo ou não. A vida é sua.

Caroline Caracas - Publicitária, coach de Empreendedorismo e Negócios, sócia-diretora da Marketing Minds e do Programa Empreenda-se.


Eduardo Carolino.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

UMA AULA SOBRE TRIÂNGULOS.







Uma demonstração simples e prática de como calcular a área de triângulos.



Se dominar esta manipulação você conseguirá resolver qualquer questão de matemática que envolva triângulos!



Matemática é muito fácil!



Dica do Professor Eduardo Carolino.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

O QUE É JUSTIÇA?


"Primeiro dia de aula, o professor de 'Introdução ao Direito' entrou na sala e a primeira coisa que fez foi perguntar o nome a um aluno que estava sentado na primeira fila:
- Qual é o seu nome?
- Chamo-me Nelson, Senhor.
- Saia de minha aula e não volte nunca mais! - gritou o desagradável professor.
Nelson estava desconcertado. Quando voltou a si, levantou-se rapidamente, recolheu suas coisas e saiu da sala.
Todos estavam assustados e indignados, porém ninguém falou nada.
- Agora sim! - vamos começar .
- Para que servem as leis? Perguntou o professor - Seguiam assustados ainda os alunos, porém pouco a pouco começaram a responder à sua pergunta:
- Para que haja uma ordem em nossa sociedade.
- Não! - respondia o professor.
- Para cumpri-las.
- Não!
- Para que as pessoas erradas paguem por seus atos.
- Não!
- Será que ninguém sabe responder a esta pergunta?!
- Para que haja justiça - falou timidamente uma garota.
- Até que enfim! É isso, para que haja justiça.
E agora, para que serve a justiça?
Todos começaram a ficar incomodados pela atitude tão grosseira.
Porém, seguíamos respondendo:
- Para salvaguardar os direitos humanos...
- Bem, que mais? - perguntava o professor .
- Para diferençar o certo do errado, para premiar a quem faz o bem...
- Ok, não está mal porém respondam a esta pergunta:
"Agi corretamente ao expulsar Nelson da sala de aula?"
Todos ficaram calados, ninguém respondia.
- Quero uma resposta decidida e unânime!
- Não! - responderam todos a uma só voz.
- Poderia dizer-se que cometi uma injustiça?
- Sim!
- E por que ninguém fez nada a respeito? Para que queremos leis e regras se não dispomos da vontade necessária para praticá-las? Cada um de vocês tem a obrigação de reclamar quando presenciar uma injustiça. Todos. Não voltem a ficar calados, nunca mais!
Vou buscar o Nelson - Disse. Afinal, ele é o professor, eu sou aluno de outro período.
Aprenda: Quando não defendemos nossos direitos, perdemos a dignidade e a dignidade não se negocia.
O povo é forte, juntos somos mais do que eles, pagar a conta do que eles fazem é demais.
Sei que quase ninguém leu, mas serve para o que estamos passando hoje na política do Brasil.
Precisamos tomar as rédeas do nosso pais
Estamos à deriva, jogados, sem ninguém por nós.
Estamos pensando no carnaval, preparem se, pois quando passar o carnaval só vem bomba!
REPASSE! E FAÇA COM QUE A INDIGNAÇÃO DE TODOS CESSE A "INDIGNA AÇÃO" DOS USURPADORES DO NOSSO PAÍS!
Não é piada e nem corrente, vale a pena ler "

Transcrito de uma postagem do facebook. Fiz na integra pois é pertinente demais com nossa realidade, vale muito a leitura e reflexão.

Eduardo Carolino.
👆

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

GESTÃO ESTRATÉGICA E A ESCOLA!


Fonte: Info Escola publicado na íntegra

Antes de quaisquer observações a respeito do assunto, é importante entender o que significa seu elemento mais significativo: estratégia.
Inicialmente empregado com propósitos militares, o termo é amplamente utilizado na atualidade para designar toda e qualquer elaboração de ações ou procedimentos de caráter evolutivo, ou seja, sujeitos a reavaliações e reformulações periódicas, cuja adoção proporcione certo nível de resultados conforme alvos preestabelecidos, em meio a situações ou cenários de risco ou de incerteza.

Também compreende a consideração das possibilidades e desdobramentos anteriormente à tomada de decisão, com base na análise das oportunidades e ameaças que circundam determinados objetivos.
No contexto empresarial, diz respeito ao modo como uma organização decide mobilizar seus recursos de maneira integrada, após a definição de um meticuloso planejamento de medidas concebidas com a finalidade de obter vantagem competitiva. Representa a constituição de uma lista de ações direcionadas, embasadas numa situação inadequada no presente, mas que passa a ser visualizada como ideal, factível ou favorável no futuro.
Difícil refletir por que é imprescindível às organizações contemporâneas planejar cada passo num mercado que se apresenta cada vez mais traiçoeiro e voraz, sem abordar o estabelecimento e os efeitos da globalização.

Considerando o final dos anos oitenta ou um pouco mais adiante, noventa adentro, a maioria das pessoas só teriam contato com algum produto classificado como “importado” – as aspas se devem à perda de sentido da palavra em decorrência do fácil acesso a praticamente qualquer coisa hoje em dia – se tivessem o privilégio de conhecer alguém com o hábito viajar para o exterior de vez em quando.

Tínhamos um mercado previsível, provedor de produtos invariáveis fornecidos por empresas que se acreditavam vitalícias, algumas inclusive cujos nomes acabaram se tornando sinônimo daquilo que produziam enquanto possuíam o predomínio do negócio.

Então as fronteiras mundiais ruíram e com elas grande parte daqueles que, entorpecidos pela costumeira exclusividade e acreditando ser capazes de manter-se na zona de conforto, não se deram conta de que estavam em sérios apuros até que foi tarde demais para reagir.

Para os mais diligentes, tais circunstâncias fizeram da Gestão Estratégica e seus princípios uma saída lógica frente as turbulências que se instalavam.
Ao contrário do que possa parecer, o conceito vem sendo desenvolvido desde os anos 60 e tem como ideal promover a integração sinergética entre estratégia, negócios e mercado.

Não por acaso o tema corresponde a uma das áreas do âmbito da gestão com maior relevância, pois sua proposta consiste exatamente na elaboração de um conjunto de ações ou reações sintonizadas com as emanações ou tendências do meio de negócios em que a instituição está inserida, sempre com a intenção de possibilitar o avanço rumo a seus objetivos estratégicos e de manter sua condição competitiva.

Trata-se de um processo ininterrupto de gerenciamento estruturado, apoiado em três pilares fundamentais, planejamento, execução e acompanhamento da estratégia, fases em que ocorre, respectivamente, a definição da missão, visão, valores e objetivos da organização, seguido do direcionamento dos recursos para o curso escolhido e, por fim, o monitoramento e a avaliação dos procedimentos adotados, cuidando que permaneçam aderidos ao escopo estabelecido.

Entre muitas coisas a globalização contribuiu com o aperfeiçoamento e adequação dos processos de gerenciamento, expedientes sem os quais certamente seria muito difícil enfrentar os constantes desafios surgidos a cada instante no ambiente hostil de uma plataforma universal de negócios.

A princípio não se tinha ideia da carga reativa que esta nova realidade demandaria, até porque seus efeitos repercutiriam progressivamente. Talvez por isso muitas instituições se comportaram como o sapo cozido.

Diz a fábula que um anfíbio foi colocado numa panela contendo a mesma água a que estava habituado na lagoa. Com o fogo aceso, o ambiente foi aquecendo gradualmente e não o incomodou até que entrou em ebulição e o incauto virou ensopado.


Referências bibliográficas:
O que é Planejamento e Gestão Estratégica? Disponível em: <http://www.portal-administracao.com/2014/06/planejamento-gestao-estrategica-o-que-e.html> Acessado em: 30/07/2016

Eduardo Carolino
Professor/Consultor/ Palestrante

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

VOCÊ É A FAVOR OU CONTRA A "DESCOLORIZAÇÃO"?


fonte: Porvir
Em bairros paulistanos, como Aclimação ou Vila Madalena, e até mesmo em cidades do interior, como Joanópolis e Piracaia, pais de classe média e alta estão optando por tirar os filhos da escola ou sequer matriculá-los. Eles são adeptos da chamada desescolarização, uma prática que valoriza o aprendizado fora da escola.
Entre as adeptas, está a educadora Ana Thomaz, 49, que vive como o marido, os filhos e outra família em um sítio na cidade de Piracaia. Ela conta que aos 13 anos o filho pediu para sair do colégio porque sentia que gostaria de fazer algo diferente, mas não tinha tempo. Atendendo ao pedido dele, hoje as quatro crianças que moram no local não têm uma rotina pré estabelecida. Elas desenvolvem o seu potencial de criação e o que ela chama de “auto-responsabilidade” a partir da livre exploração.
A prática ainda está em discussão na justiça e costuma enfrentar resistência nos tribunais. Isso porque um artigo do Estatuto da Criança e do Adolescente diz que os pais ou responsáveis têm a obrigação de matricular os filhos na rede regular de ensino.
Leia a matéria original em Folha de S. Paulo



PROFESSOR EDUARDO CAROLINO
Postagens mais antigas → Página inicial